Das delícias da maternidade: cocô às 4:30 a.m.

Este não é um post bravo. Nem cansado. Para mim, este é um tema do lado não irônico das delícias da maternidade mesmo.

Gabizinha está em um ritmo intestinal errático. Teve dias de fazer cocôs ao longo do dia, a cada mamada. Agora está numas de um cocô a cada 48 horas, daí vocês imaginam o volume de cocô que produz um pacotinho de fofura de 4kg, mamando avidamente, em 48 horas. Imaginaram? Pois podem elevar à milésima potência.

Minha pequenina maquininha de sons deliciosos e carinhas fofas produz outras coisas menos agradáveis. Diz uma avó que o cocô dela não tem mau cheiro. Não tem? Que venha a vovó trocar uma fralda como a da última madrugada.

Quando começou a produção, eu já sabia que lá vinha bomba, só pelo tempo de inatividade. A pequena gulosa, estava no meu colo mamando, quando veio aquele som característico, e aquela carinhazinha de forcinha que só e linda em bebês. E depois do primeiro, veio o segundo, o terceiro, o quarto…

Comecei a me preocupar. Convoquei a avó que estava por perto, para ver se a fralda tinha vazado. A vó olhou de um lado, nada. Do outro, nada. Quando olhou de novo do primeiro, já tinha uma manchinha marrom. E a manchinha marrom começou a se expandir feito praga bíblica, em poucos segundos. A avó, muito eficiente, buscou correndo uma fralda de pano para evitar os incidentes do penúltimo cocô, que inviabilizou uma almofada e o pijama da mamãe, até que a pequena se saciasse.

Acabada a refeição, fomos avaliar as reais dimensões do estrago. E a minha sensação é que a cada dia que eu acho que ela chegou ao seu limite de produção intestinal, ela se esmera para quebrar seus próprios recordes, a pequena obstinada. Tinha cocô desde o pé até o meio das costas da pequena, que continuava com aquela cara de inocente, ou talvez de quem acabou de cumprir com louvor uma tarefa.

Não dá para pretender fingir que a visão de todo aquele cocô não dá um certo pânico. Dá sim, a gente não sabe por onde começar a limpar. Ontem pelo menos, a pequena estava só de macacão, porque quando o incidente envolve um body, os estragos ameaçam incluir a cabeça e os cabelinhos da pequena artista.

Mas, passados os primeiros segundos de perplexidade diante daquela criança toda lambuzada, a gente pega o algodão, o lencinho, ou em casos mais agudos, a banheirinha, e em minutos a bagunça está desfeita, e a pequenina pronta para a próxima. E mamãe fica com mais uma historinha para contar para os amigos e para a própria artista quando crescer!

Anúncios

Um comentário sobre “Das delícias da maternidade: cocô às 4:30 a.m.

  1. Hahahahhaha.. Dei muitas risadas. Essa é uma das partes hilárias, na minha opinião, da maternidade. Samuel fazia cada bomba após as mamadas. Ele sempre foi bombástico. E ficava com cara de inocente… É tão angelical…hahahahha Bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s