Em busca do berço ideal

Agora que parece estar se tornando uma nova rotina escrever aqui somente semanalmente, me dá a impressão que o tema maternidade domina este blog. Já vi várias blogueiras por aí engravidarem e jurarem por Deus que vão continuar a tratar de outros temas, que não se tornarão exclusivamente mães, etc.

Não tenho nada contra nem a favor. Nem optei por me tornar mãe 24×7 antes mesmo do nascimento, nada disso. Mas as mudanças no ritmo de vida provocadas pela gravidez, pela ausência da ajudante doméstica e sei lá mais o que não me deixam muito tempo para vir aqui todos os dias, contar pequenas anedotas do dia a dia. E não posso e nem quero negar que o tema central desta residência atualmente é a futura pequena moradora ainda sem nome. Ela e todas as mudanças decorrentes da sua chegada.

Os outros temas de que eu tratava aqui… quais eram mesmo?? (a gravidez acabou com a minha memória – qualquer pendrive de brinde hoje em dia tem mais memória do que eu!) Que eu me lembre eu falava de várias coisinhas do dia a dia, anedotas do trabalho, e das minhas aventuras de desventuras pela cozinha e pela sala de visitas.

Destas últimas, a primeira foi abandonada, salvo para questões de sobrevivência. E a segunda totalmente, tanto pela ausência da ajudante, como pela lista de compromissos sociais pendentes que sobraram depois de quatro meses de reclusão decorrentes das náuseas. Vários amigos e parentes para visitar, bebês recém chegados para conhecer, coisas a por em dia. E, claro, o tema-título deste post, que eu já ia esquecendo – a maratona de preparar a chegada da nova princesa deste lar!

Ontem realizamos uma verdadeira maratona em busca de um berço, e o resto dos móveis que compõem o novo aposento. Como tudo o que diz respeito ao universo dos bebês, trata-se de um mundo novo, desconhecido, cheio de premissas e parâmetros próprios, até mesmo com um linguajar novo a ser aprendido. E, obviamente, além dos móveis, os tais estabelecimentos comerciais vendem todas aquelas coisinhas feitas para balançar o coração e disparar o senso consumista das novas mamães e papais – várias fofurinhas, quadrinhos, bichinhos, enfeitinhos e tudo-inhos capazes de desorientar qualquer mãe de primeira viagem.

No fim da maratona, umas 20 lojas visitadas, ou mais, fica aquela sensação meio confusa de que todos os berços se fundiram em uma única imagem confusa, em que todos parecem mais ou menos semelhantes, e uma grande dificuldade em lembrar aonde se viu o que, e quais mesmos a gente tinha preferido. Mas agora me sinto meio entendida para, se Deus ajudar, na próxima rodada tomar uma decisão.

Cansa, cansa muito, mas vale muito a pena!

Anúncios

6 comentários sobre “Em busca do berço ideal

  1. importante par ao berço: que tenha algum sistema de inclinação para evitar refluxo, que tenha varias alturas para regular conforme a bebe for crescendo..
    beijocas

  2. Junto com mamadeiras e chupetas, foi um “utensílio” que usei pouquíssimo…para desespero de muitos e também contrariando todas as teses e preleções pediátricas. Eu levava as crias pra dormir comigo….ai que bom e quanta saudade.
    Coitadinhos, tão pequenininhos e sozinhos no berço…..depois de saírem de um lugar tão quentinho e chegar nesse mundão de meu Deus, cheio de lobisomens e bichos papões.
    Não se reprima, pode levar pra sua cama, porque vai chegar a hora em que eles mesmos não querem mais…e aí vc vai ter muuiiiiiiitttaaaa saudade…..ahahahahah.
    Um beijo.

  3. Chris! Em primeiro lugar, parabéns muito atrasado pela gravidez… falha nossa… eu sou mãe de 3… e o menor tem 3 anos, acho que ainda me lembro de alguma coisa… se precisar, me chame por favor, adoro falar de bebês!!! Eu sempre digo ao meu marido que não tinha nada mais gostoso que ir para o hospital buscar nene! E então, o berço que comprei para o último tinha tudo que vc. imagina… anti-refluxo etc, antes que você pergunte… não usei nada… sabe porque? Era mais difícil fazer a alteração para ele funcionar do que simplesmente colocar listas telefonicas embaixo do colchão para que ele se elevasse… então, parafernálias a parte, são caros e nem sempre tão úteis assim e seu bebe só precisa de seu amor para ser feliz… peças caras muitas vezes são para satisfazer a preocupação dos pais, eles se divertem e sobrevivem com tão pouco… 🙂 Beijocas

  4. Uai, Chris! Achei que tinha deixado um comentário aqui quando li o post! Estou ficando maluca!

    Afinal, encontrou o berço ideal? Eu não tenho experiencia nenhuma com isso, mas meus sobrinhos também tinha refluxo quando bebês e a solução realmete era inclinar o calchão, só não sei como faziam isso!

    Beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s