Em busca do graal

Talvez o título seja um tanto superestimado. Talvez não. Um dos meus hobbies, a que eu me dedico com mais ou menos intensidade de tempos em tempos é a busca por informações genealógicas.

Minha família é de origem muito humilde, o que traz a questão do valor desta informação. Para mim é inestimável, mas não se trata de uma busca por ancestrais famosos, heróicos ou por alguma possível herança de metade do estado de Minas Gerais. Nada disso. Trata-se apenas de uma busca por algum conhecimento das minhas origens, e pelo fascínio de ver um pedacinho de história se desenrolar bem perto de mim. (muito embora, em minhas buscas eu tenha descoberto que alguma antepassada minha foi casada com um irmão do Tiradentes, ou algo tão relevante que não ficou na minha memória).

Como eu não tenho tempo e nem proximidade física para buscas primárias, na maior parte das vezes eu faço as minhas buscas em fontes secundárias, via web, ou usando da boa vontade de pais & tios, que entram em contato com primos distantes que têm boa memória, ou coisa assim. Em alguns ramos da minha família, até deu para avançar bastante, sobretudo por ter achado um link com uma família Açoriana que é muito famosa nos círculos genealógicos – três irmãs que, pela sua descendência, povoaram quase todo o estado de Minas Gerais – conhecidas como “as três ilhoas”.

Os demais ramos exigem um trabalho quase quixotesco. Pelo lado do meu avô materno, eu não consigo descobrir muita coisa, pois aparentemente, nem registro civil de nascimento ele teve – consta no processo de casamento dele, que ele não apresentou nenhum documento, e foi identificado pelo documento que eu transcrevo em seguida:

“Francisco Dornas, delegado de policia do districto da Cidade de Itaúna, Estado de Minas Geraes, na forma da lei.

Attesto, sob o juramento de meu cargo, e em razão do meu officio, que o senr. Domingos de Aguiar, natural de Matheos Leme, Termo do Pará, filho legítimo de Marcolino Elias do Amaral e de D. Maria Emilia de Aguiar é maior de vinte e um anos. Por informação de pessoas fidedignas attesto ainda que o mesmo Snr. Domingos de Aguiar nasceu no dia trinta e um de janeiro de mil oitocentos e noventa e sete. E por me ser pedido e ser verdade, firmo este, que deixa de ser sellado, por ser para os effeitos legaes de casamento civil.

Itaúna, 28 de outubro de 1920

Francisco Dornas

Família humilde, numerosa, minha avó pariu 18 filhos, dos quais 10 chegaram à idade adulta. Gente simples, sem a menor preocupação com as origens, nenhuma das minhas tias vivas sabe dizer onde exatamente meu avô nasceu, e, portanto, sem um esforço maior de revirar os registros de todas as igrejas de uma determinada região de Minas, morre na terceira geração de ancestrais, aquela ainda presente na certidão de nascimento de minha mãe, a possibilidade de mapear a origem deste ramo de minha família.

Em breve eu voltarei a este assunto para falar do outro grande obstáculo: a formação dos sobrenomes do interior católico de Minas Gerais.

Anúncios

5 comentários sobre “Em busca do graal

  1. Chris,
    agora surgiu uma dúvida.
    E se o seu avô morreu pagão? Se não tiver recebido o sacramento do batismo? Acaso vocês já pensaram que uma parte da família pode estar mergulhada no pecado, por esta falta do batismo de membro ancestral?

    Agora, as coisas estão ficando mais claras. Este fato deve ter relação com a missão peregrina de Compostela. O caminho como uma forma de redenção, que permitirá às gerações futuras a libertação desta desobediência religiosa.

    Sim, a remissão virá pela mão do peregrino. Nada acontece ao acaso.

  2. Hoje recebi uma chamada de atenção, com razão.

    O afã de fazer um comentário ou de torná-lo divertido desvia a atenção da qualidade do texto. Não compromete mas pode transmitir uma desqualificação, que no caso, não era intencional nem verdadeira. Ainda cometerei algumas gafes como esta, mas acho ser possivel consertar o escorregão. Pelo menos com este post.

    A substituição do CTRL V pelo texto próprio foi um sucesso. Sério na medida certa. Inteligente. Transmite uma faceta peculiar da autora – a importância dada às origens. Independente de quais sejam. Não uma busca de glórias passadas mas a constatação de que a busca de elos com o passado são uma busca muito prazeirosa, apesar dífícil.

    Agora num novo contexto – quem procura, acha.

  3. Busca do Graal – minha família foi e é humilde. Uma família de ne-
    gros descendentes de escravos. Nossa maior riqueza é termos chegado aqui vivos para expressar o amor que recebemos dos nossos antepassados. Coube a mim, Getulio, realizar um trabalho de Genealogia para resgata a memória dos meus. É preciso fazer algum movimento. Ir em direção a igrejas, cartórios, pessoas. Se você fizer isso, com certeza terá sempre alguma ajuda e surpresas. Não pode haver desâmino. Seus antepassados esperam por você, em algum lugar.

    Acho muito difícil alguém no século 19 não ter batismo (exceção para para o indígena). E você tem o dados necessários para a busa com sucesso.

    Apreciei de verdade suas palavras nestas páginas. Boa Sorte! Ah, não se esqueça de pedir ajuda sempre. Abraços.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s