Papel Manteiga, e a ignorância culinária

Eu sempre achei que papel manteiga era o máximo de sofisticação em termos culinários. Algo assim, comprado a peso de ouro, em lojas mega especializadas, importados de algum lugar bem distante, e a ser utilizado com moderação em datas especiais. E me dizia: um dia eu vou ter um (um o que? rolo? folha? bloco? Sei lá, não fazia menor idéia!)… um X de papel manteiga. E neste dia eu vou me sentir equiparada aos maiores chefs mundiais.

Como ele nunca tinha feito falta na minha vida, eu ia adiando. Porque aspirações grandiosas não são coisas para se resolver em um dia.

Até que comecei a visitar o blog das fadas da cozinha. Fadas mágicas, maravilhosas, mas que eu vim a perceber, bem acessíveis, bem simples, no melhor sentido da palavra. Mas, como fadas, ainda achava que tinha algum reino encantado, provalvemente das imediações do mercado municipal, ou da Paula Souza, restrito a iniciados, que vendessem a tal maravilha.

Até que, em um recente encontro mágico, conheci pessoalmente duas dessas fadas. Timidamente, arrisquei a perguntar (com um certo medo de constatar a já esperada realidade de que eu não tinha ainda skill para acessar o tal clube encantado), como adquirir aquela maravilha da cozinha dos grandes gourmets.

Ok, fantasias à parte, eu HONESTÍSSIMAMENTE, esperava uma resposta do tipo: “em lojas profissionais de confeitaria”, ou algo similar. Qual não foi a minha surpresa de ouvir das minhas gurus que o objeto do meu desejo se encontra em qualquer supermercado, logo ali ao lado do filme plástico, e do prosaico papel alumínio? (óbvio que eu jamais tinha visto, com a minha distração e falta de foco já conhecidas.

Pois bem, na visita ao supermercado desta semana eu resolvi conferir a revelação das gurus: e já enfiei o pé na jaca de uma fez. Saí do supermercado com DOIS rolos daquela maravilha. Me senti carregado um troféu de ouro, ou um amuleto sagrado ou algo assim.

A questão que fica, reprise da última sexta-feira, em relação às formas, cortadores, bico de confeiteiro, e outras coisas do universo culinário superior é: e agora, o que é que eu faço com essa maravilha, além de ficar admirando os dois rolinhos?

About these ads

15 comentários sobre “Papel Manteiga, e a ignorância culinária

  1. Chris confessa q vc tem uma boa receita de bolo, daquelas bem simples bate td no liquidificador e coloca na forma??? se nao tiver me avisa q eu mando..ai vc forra o fundo da assadeira, não precisa cortar um circulo, tarefa q exigiria a presença do Gui…corte um quadrado maior q o fundo da forma e faça uns cortes nas laterais do apepl e vá ajeitando ele na forma…isso se a forma for redonda…ou se nao asse uns cookies q eu sei q vc tem uma boa receita…essa eu lembro!!!

    bjos

  2. Oi Chris, a gastronomia está cada vez mais proxima dos consumidores “comuns”, é só ver a quantidade de itens gourmet vendidos lado a lado aos produtos simples em qualquer supermercado melhorzinho, né! Isso é muito bom, pois o comhecimento está sendo gerado no mundo culinário e todos tendem a crescer e os pratos ganharem um aspecto mais sofisticado…e o papel manteiga auxilia em muito nas receitas principalmente no acabamento delas, né.
    No meu blog e no meu dia-a-dia o papel manteiga tem lugar de destaque! Depois dá uma olhadinha lá:

    http://melhordacozinha.blogspot.com

    Abraços

  3. É mesmo interessante como objetos que nunca demos importância passam a ser necessidade de “vida ou morte” depois que nos envolvemos neste mundo da cozinha. E os que não conhecemos, e os ingredientes que nunca ouvimos falar? São tantas novidades, por isso que é bom, sempre tem algo novo para ser contado…para ser descoberto.
    Bjs!

  4. Isso aconteceu porque talvez você ainda não tenha visto nenhum post de algumas dessas fadas quando elas citam um tal de ZESTER !!! Sinta bem a palavra !!
    Certamente o som, o Z, são mais intrigantes do que papel manteiga. O que acha ? Já conhece ? Foi por aproximação pelo sufixo ?
    Pois quando descobri o que era…fiquei até com raiva.
    Lembrei da tosqueira…..ahahaha.
    Beijos.

  5. Eu adoro usá-los para fazere suspiro, e também no fundo da massa do cheesecake…mas tem MUITAS utilidades…ainda estou rindo da sua narrativa.
    Beijos

  6. Difícil é saber que existe silpat que substitu o papel manteiga para quase tudo.
    Mas isso fica pra outro post.

    Adorei aqui voltarei sempre.

    abs

  7. Oi Ana!

    E você acredita que o tal do zester eu conhecia? (e tenho, óbvio!) Lojinhas especializadas em gadgets de cozinha eu conheço todas, o que eu não domino são os ingredientes, e as sacadas dos mestres!

    Maurício,

    Não sei se “consumidora comum” se aplica a esta que vos fala – vide o post de ontem com aquela foto do taco furado!

    Lailinha,

    Francamente eu não sei como colocar um papel quadrado no fundo da forma redonda, a não ser invocando o marido para cortar o papel, ou ameaçando a integridade dos meus dedinhos o fazendo eu mesma. Receita, eu até nem tenho não, mas tenho umas amigas que tem umas de primeiríssima!

    Laurinha,

    Cookies eu tenho UMA receita infalível, vou experimentar esta maravilha com elas qualquer hora – se bem que eu estava pensando em alguma receita que usasse o papel manteiga E a minha crescente coleção de cortadores de biscoitos! (estou querendo demais?)

    PS: dentre as minhas aquisições sem uso, eu tenho corantes de várias cores para fazer os tais biscoitinhos com formatos fofinhos e coloridinhos!

    Lu,

    Se eu acho, eu compro – depois a gente pensa em descobrir o que fazer – o problema é que eu nunca soube aonde achar o bendito referido papel!

    Fer,

    Suspiro…. não tem que separar aquelas duas coisas amarela e branca que nascem juntas e bater até dar caimbra???

    Michel,

    Já reclamei por email, mas agora trata de ir revelando quem é esse tal de silpat, que eu estou morta de curiosidade! Eu mal conheci o papel manteiga, já que não abri o pacote e você vem me dizer que ele está obsoleto????

    Todo mundo: obrigada pela visita, pelo incentivo e pelos milhões de risadas!!!!

  8. Olá Chris, achei tua cozinha no Cozinhas do Mundo e vim dar uma conferida.
    Achei muito legal esse post, ri bastante!!!
    Mas é assim né, a gente fica tão maravilhado por certas coisas que nem se dá conta de que são simples.
    Admito, nunca tinha comprado papel manteiga, mas dia desses eu quis fazer uns pãezinhos japoneses que são assados no vapor e precisa dessa maravilha dos gourmets. Mas grudou mesmo assim!!! Que raiva… mas acho que eu não comprei uma marca lá tão boa. Desaforo né? Um item desse naipe de uma marca mixuruca. Joguei fora o rolo todo.
    Te espero na minha Cozinha^^
    Kisss!

  9. Cara amiga Chris,

    Primeiro um leve comentário sobre o consumismo exagerado na sociedade ocidental abastada. Não sabendo a utilidade do objeto em questão, qual a razão de comprar dois rolos? Agora as minhas impressões não culinárias sobre o papel manteiga.

    Independente do bom uso que os colegas cozinheiros possam fazer, eu sou do tempo em que este objeto servia para embalar o alimento que lhe cede o nome – a manteiga. Devido as suas propriedades evitava a transmissão de gordura para fora do invólucro. A coisa passava-se mais ou menos assim: em qualquer vendinha mequetrefe o sujeito pedia um naco de manteiga, que era cortada de uma barra enorme e para o seu acondicionamento…. o proprietário abria uma gaveta de tesouros, de onde retirava um papel sofisticadíssimo para embrulhar o alimento. Este papel proveniente de locais tão distantes como a papelaria da esquina estava disponível em folhas grandes ou rolos.

    É bem provável que a rota comercial do papel-manteiga tenha se afastado dos caminhos das gerais. Por isto a falta de conhecimento de uma parte da população brasileira. Mas tenho certeza que agora, com os dois rolos em mãos, a nossa amiga criará mil e uma utilidades para este objeto. Ainda mais com a ajuda de um exército tão gentil e interessado.

  10. Lendo seu post e o comentário do amigo em comum, nitidamente dá para perceber que deve ter pelo menos duas décadas de diferença de idade entre vocês. A rota comercial do papel-manteiga com certeza passou pelas gerais. Eu estava lá. O problema é que passou muito tempo antes do seu nascimento, então eu entendo o seu entusiasmo, deve ser como estar com um documento muito antigo nas mãos.

  11. Adorei saber a origem do papel manteiga! Obrigada amigo!
    Realmente eu sou da época da manteiga e da margarina no potinho de plástico! Muito embora hoje tenha acontecido uma discussão sobre a esquizofrenia do papel manteiga, que viraria papel margarina, que me deixou tonta até agora!

  12. Será que papel manteiga de desenho serve para culinaria tb??? claro q tirando as questões de higiene teria o msm efeito???

  13. Será que alguem me pode dizer onde comprar esta maravilha? Vivo em Lisboa mas ainda não consegui comprar… Precisva dele para fazer os meus biscoitinhos de Natal sem ter que untar tabuleiros…

    Ana

  14. Hehehe – procurando sobre onde comprar papel manteiga no google, encontrei seu post. E ri muito!!! Eu estava fazendo exatamente o que vc fez… achando que o bendito papel só existia num mundo perfeito de chefs – não é a toa que estava procurando no google… rsrs
    Adorei o post, muito realista!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s